Boletins
Novidades

Procrastinação crônica. O que é? Pode ser considerada uma doença?

A procrastinação é muito recorrente na rotina de muitas pessoas. O excesso de decisões a serem tomadas e atividades a serem realizadas acabam gerando um cansaço e consequentemente um hábito de deixar as soluções para a última hora.

Porém, quando em excesso, a procrastinação pode virar até mesmo um problema de saúde. Por mais que seja vista como preguiça, é importante dizer que o ato de procrastinar não tem nada a ver com ela e sim com um problema de regulação emocional.

Atrasar ou deixar de entregar atividades diariamente podem ser sintomas de procrastinação crônica, que diferentemente da procrastinação natural ou da preguiça, atrapalha a vida do indivíduo em níveis diferentes.

Confira os tópicos que abordaremos nesse artigo sobre a procrastinação crônica e seus malefícios:

Boa leitura!

O que é procrastinação crônica?

A procrastinação crônica acontece quando o adiamento de tarefas e decisões se torna recorrente na nossa rotina.

Quem sofre com a procrastinação crônica deixa de fazer diversas atividades, inclusive as que garantem o seu bem-estar ou que um dia foram fonte de prazer.

O ciclo dessa forma de procrastinação pode começar com a compra de vários livros sem ler nenhum, adiamento de compromissos pessoais em sequência, e até a perda de autoestima e vontade de realizar sonhos.

Executar tarefas apenas quando o prazo está quase vencendo não é um comportamento natural, e é desencadeado tanto por cansaço quanto por um auto sabotamento frequente.

A psicologia indica que a procrastinação é fruto do medo, da insegurança e de possíveis traumas. As experiências ruins com atividades semelhantes às que estão em nossa lista de afazeres atrapalham o desenvolvimento de novos desafios.

Quem procrastina está lidando com diversos sentimentos diferentes, sendo a maioria deles, negativos.

O perfeccionismo nessas horas é algo que pode acabar completamente com a produtividade de alguém, já que ele impede que a pessoa procrastinadora se sinta competente o suficiente para realizar aquela atividade.

Além disso, a procrastinação crônica pode comprometer o trabalho de toda uma equipe, já que alguém sempre estará deixando os prazos passarem batido.

Quais os malefícios da procrastinação crônica no trabalho?

Por gerar atrasos e outras consequências, a procrastinação crônica pode prejudicar o desempenho do funcionário e até a relação com os clientes, já que os produtos não são entregues dentro do prazo combinado.

Os atrasos ocasionados pelo procrastinador crônico não são intencionais, mas essa questão que começa como um problema individual, acaba gerando um estresse coletivo.

Os resultados ruins levam a quedas nos números e a não obediência aos prazos gera demandas maiores para outros membros da equipe ou até mesmo para a pessoa procrastinadora.

A situação acaba virando uma bola de neve que leva a uma queda drástica na produtividade, podendo ocasionar crises e conflitos dentro das equipes.

Por isso a importância de manter um programa de cuidados com a saúde mental dos colaboradores, já que ele pode ajudar a prever esse comportamento e auxiliar o funcionário em questão com o tratamento do problema.

Qual o comportamento de um procrastinador crônico?

Para um procrastinador é muito difícil assumir que não consegue realizar as atividades do seu dia a dia, já que isso mexe diretamente com sua autoestima.

Afinal, saber que seu desempenho não está sendo bom e ainda assim não conseguir se mover, é extremamente frustrante.

Mas, é possível observar alguns comportamentos que podem indicar a procrastinação crônica, como ter muita dificuldade de sair da cama de manhã quando o despertador toca.

Além disso, o cansaço emocional excessivo gerado pela falta de produtividade faz com que a pessoa procrastinadora não consiga sequer pensar em outra atividade que não seja passar o dia na cama.

Um outro indício de que alguém é um procrastinador crônico é o uso constante e incansável do celular.

Apesar de ter se tornado um vício para um grande número de pessoas, passar horas sem foco nas redes sociais é um grande vilão da produtividade e pode virar um hábito do procrastinador compulsivo.

Entre os comportamentos dos procrastinadores de tarefas também está a idealização excessiva. Passar muitas horas divagando sem colocar nenhum objetivo em prática e deixar todas as atividades no mundo das ideias também é um sintoma comum.

Quanto ao ambiente corporativo, a não realização das atividades e tarefas propostas é um dos principais indicadores de uma possível procrastinação crônica. Deixar de lado as metas e não conseguir se relacionar com os outros membros da equipe também é um sinal de alerta.

A procrastinação crônica pode virar doença?

É importante dizer que a procrastinação crônica não é uma doença, mas pode ser o início de um problema que precisará de um tratamento. Ela começa como um sintoma do dia a dia, mas pode levar a um transtorno psicológico.

E isso acontece porque a angústia e sobrecarga de não executar as tarefas no prazo definido começa a afetar o emocional da pessoa que procrastina, abalando sua confiança, provocando ansiedade e levando à depressão e outras doenças.

Além disso, por se acostumar a deixar tudo de lado, o procrastinador crônico também para de se cuidar, e acaba se ausentando dos exames e consultas, deixando de praticar atividades físicas e se alimentar bem.

Como tratar procrastinação crônica?

Todos nós procrastinamos em algum momento, seja por cansaço, insegurança ou insatisfação, mas é importante se atentar aos sintomas para que a procrastinação não se torne um vício.

Se manter sempre organizado, se recompensar por atividades realizadas diariamente, buscar o autoconhecimento e se afastar do que provoca a procrastinação são ações fundamentais para começar a amenizar os sintomas.

Entretanto, é fundamental procurar um profissional de saúde mental para que o tratamento seja correto e eficaz.

Procrastinação é a mesma coisa que preguiça?

É muito importante saber separar a procrastinação da preguiça. Por mais que as duas sejam comumente confundidas, ambas se relacionam com a não execução de tarefas.

A procrastinação crônica parte de problemas comportamentais que tem como fundamento a insatisfação e a baixa autoestima. Já a preguiça tem uma ligação com a negligência e é a falta de ação por completo, o abandono total de suas tarefas.

Uma pessoa que procrastina deixa de fazer uma atividade para realizar outras, sejam elas banais ou não, uma pessoa preguiçosa deixa de fazer tudo.

O procrastinador crônico por sua vez, sofre com a improdutividade consciente de suas demandas e não para de pensar nelas apesar de sentir que não consegue realizar suas atividades e deixa para o último minuto.

Esse sentimento gera um esgotamento emocional muito grande, semelhante ao que acontece com quem sofre de burnout e outros sintomas de excesso de trabalho.

A procrastinação crônica pode ser um sinal de transtorno mental?

A procrastinação pode sim ser um sinal para problemas de saúde mental, como a depressão, ansiedade e/ou prejuízo no funcionamento cognitivo.

Alguns especialistas apontam que a indisposição para realizar atividades que eram comuns somadas a sensação de estar fazendo tudo errado pode ser um alerta de transtorno psíquico.

Por isso, é importante estar sempre atento aos sintomas para evitar que o problema tenha consequências graves e até irreversíveis.

Como mencionamos anteriormente, a organização é fundamental para definir prioridades, separar trabalho e vida pessoal, e assim evitar distrações.

Existem diferentes tipos de Procrastinação?

De acordo a psicologia a procrastinação se apresenta de duas formas, são elas:

Procrastinação de Manutenção

A procrastinação de manutenção acontece quando as pessoas abandonam as atividades de manutenção, como arrumar o quarto, lavar a louça, entregar as coisas no prazo.

Esse tipo de procrastinação leva o nome de manutenção porque adia atividades responsáveis pelo bem-estar do indivíduo.

Procrastinação de Desenvolvimento

A procrastinação de desenvolvimento surge quando acontece o adiamento de atividades que podem fazer com que o indivíduo mude de vida, material ou emocionalmente falando.

Quando as pessoas apresentam esse tipo de procrastinação crônica, normalmente encontram dificuldade em fazer coisas que lhe trazem prazer, aceitação pessoal e bem-estar.

Conclusão

Até as pessoas mais disciplinadas e motivadas procrastinam, isso não é um problema. A questão é quando esse ciclo começa a se tornar algo recorrente. Por isso, os sintomas da procrastinação crônica são bastante fáceis de identificar.

É importante avaliar as condições psicológicas dos seus colaboradores regularmente e assim evitar problemas mais graves, seja individual ou coletivamente.

Uma boa forma de fazer com que a organização vire rotina no cenário organizacional é promover workshops e cursos sobre o tema, além de buscar ciclos de atividade que sejam mais leves e fáceis de manter, como as metodologias ágeis, por exemplo.

Agora que você já sabe tudo sobre procrastinação crônica e como evitar esse problema dentro da sua empresa, compartilhe o nosso conteúdo com seus amigos e colegas nas suas redes sociais e acompanhe o blog da PontoTel para ficar sempre por dentro de todas as novidades do mundo corporativo!

Compartilhe em suas redes!

Fonte: PontoTel

O post Procrastinação crônica. O que é? Pode ser considerada uma doença? apareceu primeiro em Informativo Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Abertura de pequenas empresas bate recorde no país

Abertura de pequenas empresas bate recorde no país

Abertura de pequenas empresas bate recorde no país

logo-png-280x120

A Cofins assessoria contábil é referência na prestação de serviços contábeis com histórico de eficiência e competência na consultoria

Receba nosso Boletim

Leave this field blank

Escritório

Organização Contábil Confis S/S
CNPJ 43.049.782/0001-66
Rua Julia Izar, 28 – Tatuapé SP 

CEP 003318-030