Boletins
Novidades

Confiança dos pequenos negócios avança pelo quarto mês consecutivo

Pelo quarto mês consecutivo, os donos de micro e pequenas empresas (MPE) estão mais otimistas com relação ao rumo dos negócios. Depois de dois anos de confinamento em razão da Covid-19, a maior circulação de pessoas foi um fator que pesou na percepção dos empresários, bem como a prorrogação do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) até 2024 e a melhora do desempenho das vendas de maio. Os dados fazem parte da Sondagem Econômica das Micro e Pequenas Empresas de maio, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em maio, o IC-MPE avançou 1,8 ponto, chegando a 98,1 pontos, o maior nível desde outubro de 2021, quando indicou 98,9 pontos. A contínua recuperação da confiança foi observada em todos os setores pesquisados: Comércio, Serviços e Indústria de Transformação.

“O ânimo dos empresários desse segmento, pelo quarto mês consecutivo, foi influenciado tanto pela situação atual quanto pelas expectativas de curto prazo. A não obrigatoriedade do uso das máscaras e do certificado da vacinação gera uma maior circulação das pessoas. Além disso, pesou nesse resultado também a prorrogação do Pronampe, que tem a intenção de gerar crédito para recuperação das MPE”, pontua o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Ele ainda destaca que a Sondagem ainda chama a atenção para a atual política de crédito lançada pelo governo federal, o Programa Crédito Brasil Empreendedor, que aliado a prorrogação do Pronampe, pode impulsionar a confiança dos pequenos negócios nos próximos meses. Apesar dos dados positivos, Melles ressalta que é preciso ter cautela. “Mesmo com esse cenário de melhora no ânimo por parte das empresas, a parcimônia tem sempre que prevalecer, já que ainda enfrentamos problemas conjunturais, como a escassez de insumos, prognósticos de alta de inflação e taxas de juros”, argumenta.

Comércio

O Comércio foi o que obteve mais destaque dentre os setores pesquisados. Após cair em abril, a confiança das MPE desse segmento voltou a subir em maio. O índice galgou 5,5 pontos, para 91,4 pontos, o maior nível desde outubro de 2021 (92,9 pontos). Os empresários enxergam uma perspectiva mais favorável a curto prazo, assim como a situação atual, puxada pela melhora nas vendas de maio.

Os setores de veículos, motos e peças (lojas de autopeças e pequenas revendedoras), seguido do varejo restrito, alavancaram o desempenho do Comércio. Na direção oposta, o segmento de material de construção recuou 0,6 ponto em maio. No Brasil, o Nordeste obteve o avanço mais expressivo no mês.

“Apesar dos bons números, o estudo mostra que os empresários ainda têm algum receio com o futuro. Mesmo com a melhora visível da pandemia e com a divulgação de pacotes que aliviam a pressão financeira das famílias, desafios como a inflação, o aumento da SELIC e a dificuldade de retornar ao mercado impactam negativamente o setor, principalmente as famílias de baixa renda”, explica o presidente do Sebrae.

Serviços

Os empresários de Serviços também estão mais confiantes e o índice teve um incremento pelo terceiro mês consecutivo, atingindo o maior nível desde outubro de 2013. De acordo com o estudo, o resultado animador foi influenciado pela recuperação do setor no momento e a confiança no futuro próximo. A maior circulação de pessoas e a demanda reprimida de serviços faz com que alguns segmentos, principalmente o de serviços prestados às famílias, percebam o aumento da demanda e a melhora dos negócios.

A atividade com maior contribuição para o IC-MPE foi a de serviços de transporte, aumento que pode estar ligado ao retorno das empresas ao modelo de trabalho presencial. Outro setor que ganhou espaço foi o de serviços profissionais e serviços prestados às famílias. Recuaram os serviços de informação e comunicação. Regionalmente, o Sul registrou o melhor índice.

Indústria

Após dois meses de altas consecutivas, a avaliação do empresariado da Indústria de Transformação se manteve em patamar neutro ao subir 0,3 ponto. A alta do setor foi, exclusivamente, da situação atual. O maior aporte veio do quesito que mede nível dos estoques, com a situação atual dos negócios na sequência. A maior contribuição negativa veio do indicador tendência dos negócios para os próximos seis meses, que caiu 4,3 pontos.

O vestuário trouxe os melhores indicadores para a indústria, fator que pode estar relacionado à iniciativa da Confederação Nacional das Indústria (CNI), por meio da Rede CIN, de promover rodadas de negociação presenciais e virtuais com MPE do setor têxtil e compradores internacionais. A alta foi acompanhada pelo segmento metalurgia e produtos de metal e alimentos. Novamente, a região Nordeste foi a que mais avançou nacionalmente em maio.

Fonte: Agência Sebrae

O post Confiança dos pequenos negócios avança pelo quarto mês consecutivo apareceu primeiro em Informativo Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

A empresa é obrigada a dispensar o empregado para realizar aulas da autoescola?

A empresa é obrigada a dispensar o empregado para realizar aulas da autoescola?

A empresa é obrigada a dispensar o empregado para realizar aulas da autoescola?

logo-png-280x120

A Cofins assessoria contábil é referência na prestação de serviços contábeis com histórico de eficiência e competência na consultoria

Receba nosso Boletim

Leave this field blank

Escritório

Organização Contábil Confis S/S
CNPJ 43.049.782/0001-66
Rua Julia Izar, 28 – Tatuapé SP 

CEP 003318-030